Estamos aqui há algum tempo.

Somos antigos mas não antiquados.

A Associação

Estamos aqui desde 2001 porque acreditamos na inclusão na comunidade para os grupos em situação de maior vulnerabilidade e exclusão. Temos feito um longo caminho, envolvendo-nos em diversos projetos que deixaram a nossa marca humanista e pragmática.

Visão

Ser uma organização de excelência na promoção da inclusão na comunidade da pessoa em situação de vulnerabilidade.

Missão

Ir ao encontro do outro promovendo a saúde, a redução de riscos e a inclusão da pessoa em situação de vulnerabilidade através de projetos de intervenção na comunidade.

2001

A Associação é fundada por um conjunto de profissionais, especializados na área da intervenção comunitária com grupos excluídos e vulneráveis, com o nome “Crescer na Maior”, nessa altura motivados para trabalhar com um público mais jovem. Começámos com vários projetos na área da Grande Lisboa e Vale do Tejo. Estava dado o mote.

2002 a 2003

Implementação do projeto “Estacionamento sem Riscos, Arrumadores sem Exclusão,” financiado pelo Instituto Português da Droga e da Toxicodependência (IPDT), através de Equipas de Rua, cujo objetivo era trabalhar com os arrumadores de carros consumidores de substâncias psicoativas. Este foi o primeiro projeto da Crescer na área da Redução de Riscos e Minimização de Danos.

2002 a 2004

Fomos pioneiros num projeto de prevenção primária da toxicodependência e do abandono escolar – “Abandonar a Escola, que Futuro?” – financiado pelo IPDT e desenvolvido no Concelho de Mação. Este projeto abrangeu não só os jovens que se encontravam em situação de abandono escolar, mas também aqueles que se encontravam inseridos em meio escolar.

2003 a 2009

A intervenção das Equipas de Rua foi alargada aos principais bairros de consumo de substâncias psicoativas da cidade de Lisboa, no âmbito do Plano Lx (Plano Municipal de Prevenção e Inclusão de Toxicodependentes e Sem Abrigo), financiado pela CML.

2004 a 2009

Criámos um Drop-in no Bairro Quinta do Cabrinha para consumidores de substâncias psicoativas, onde estes podiam comer, beber café/chá, ter acesso à internet ou utilizar o telefone. Foram desenvolvidas formações de informática, artes plásticas e atividades outdoor. Este projeto foi financiado pela CML.

2005

Criámos o Gabinete de Inserção Profissional, em parceria com o IEFP, no Bairro Quinta do Cabrinha, que tem por objetivo apoiar a população desempregada na definição ou desenvolvimento do seu percurso de (re)inserção no mercado de trabalho.

2006 a 2010

Desenvolvemos o projeto “Crescer em Rede” junto das crianças, jovens e suas famílias do Vale de Alcântara, com o objetivo de criar percursos de vida alternativos, prevenir comportamentos de risco e criar hábitos de vida saudáveis. No âmbito deste projeto, desenvolvido em parceria com o Projeto Alkantara, Médicos do Mundo e Cidater, gerimos também um Centro Ocupacional e uma Ludoteca com ateliês de formação de informática, artes plásticas e pintura.

2009

Criámos 2 Equipas de Rua – Oriental e Ocidental – com áreas de intervenção distintas, abrangendo todas as freguesias de Lisboa. Estas Equipas, atualmente financiadas pelo SICAD (Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências) e pela Câmara Municipal de Lisboa, atuam diariamente nos principais bairros de consumo de substâncias psicoativas da cidade.

2012

No âmbito do PDCM (Plano de Desenvolvimento Comunitário da Mouraria), foi criada uma Equipa de Rua específica para trabalhar com as pessoas em situação de maior vulnerabilidade (pessoas em situação de sem abrigo e consumidores de substâncias psicoativas) da zona da Mouraria. Este projeto, mais tarde, veio a dar origem ao projeto É UMA CASA, Lisboa Housing First.

2013

Implementámos do projeto É UMA CASA, Lisboa Housing First, no âmbito do PDCM (Plano de Desenvolvimento Comunitário da Mouraria) e apoiado pela Junta de Freguesia de Santa Maria Maior. Este projeto, desenvolvido segundo a metologia Housing First, destina-se a pessoas que se encontram em condição crónica de sem abrigo, excluídas de todas as estruturas de apoio social e de saúde, para quem os recursos existentes não têm sido uma solução. Atualmente, este projeto foi alargado a toda a cidade de Lisboa e passou a ser apoiado também pela Câmara Municipal de Lisboa e pelas Fundações Montepio e PT.

2014

Abertura do nosso primeiro Drop-In, com o nome “Espaço  Âncora”, que tem como objetivo ser um local de encontro e familiaridade para os utentes que estão na rua e nas suas casas. Neste Espaço funcionam diversas valências de apoio psicossocial e de saúde e são desenvolvidas várias atividades lúdicas/ocupacionais.

2014 a 2015

Em parceria com a Associação Reagir para Mudar, Associação Teatro Umano e o Clube Desportivo Santo António de Lisboa, implementámos o projeto Cultiv`art, ao abrigo do programa BIP/ZIP 2014, promovido e financiado pela Câmara Municipal de Lisboa. Este projeto pretendeu responder a problemas diagnosticados de higiene urbana e baixa empregabilidade da população residente no Bairro Quinta do Cabrinha.

2016

A convite da Câmara Municipal de Lisboa, e no âmbito do PMAR Lx (Plano Municipal de Acolhimento aos Refugiados na Cidade de Lisboa), implementámos o projeto É UMA VIDA, que tem como objetivo apoiar os refugiados na sua inclusão na comunidade.

Cultura

Fazemos investigação na nossa área de intervenção, tendo como objetivo disseminar o conhecimento técnico, produzir conhecimento científico e implementar boas práticas internacionais, bem como, projetos de inovação social, na redução de riscos e minimização de danos.

Queremos promover a saúde, a redução de riscos e a integração comunitária das populações vulneráveis através de projetos de intervenção na comunidade.

Queremos melhorar as condições de vida das pessoas consumidoras de substâncias psicoativas lícitas e ilícitas na cidade de Lisboa.

Queremos contribuir para a diminuição da transmissão e erradicação das doenças infectocontagiosas (ex. Hepatite C, VIH, Tuberculose).

Acreditamos na liberalização das drogas

Acreditamos que um mercado regulamentado evitará uma economia paralela e clandestina, evitando a prática criminosa e, assim, diminuindo os níveis de criminalidade associados.
A liberalização possibilita que o crime organizado saia do comércio de drogas permitindo-nos regularizar e controlar o acesso ao mercado (isto é, prescrever, licenciar, controlar venda a menores, etc..).
Os consumidores de drogas poderão fazê-lo de forma menos danosa para a sua saúde.

Queremos implementar Salas de Consumo Assistido em Portugal

Apesar de Portugal ter um enquadramento legal considerado inovador e de o consumo ter sido descriminalizado, ainda nos confrontamos com uma realidade de consumos a céu aberto, sem quaisquer condições de salubridade. As Salas de Consumo Assistido têm provado ser mais uma estratégia válida de Redução de Riscos: diminuem o risco de contágio de doenças infecciosas, reduzem as mortes por overdose, permitem um trabalho consolidado de educação para a saúde e promovem o contacto com as estruturas de saúde e de apoio social.

Defendemos a legalização da Prostituição

Porque acreditamos que assim estamos a proteger os direitos humanos dos trabalhadores do sexo, que são forçados a viver à margem da lei. Descriminalizar a prostituição significa melhorar as condições de saúde.

Atuação e População

Atuamos em toda a cidade de Lisboa, com maior enfoque nas zonas onde predominam populações em situação vulnerável, nomeadamente:

Bairro da Cruz Vermelha
Casal Ventoso
Igreja dos Anjos
Intendente
Jardim Constantino
Mouraria
Quinta do Lavrado, Xabregas

Igreja dos Anjos

Bairro da Cruz Vermelha

Casal Ventoso

Intendente

Jardim Constantino

Mouraria

Quinta do Lavrado

Xabregas

 

Entendemos como “populações em situação vulnerável” aquelas que se encontram excluídas das estruturas sociais e de saúde, não usufruindo em pleno dos seus direitos enquanto cidadãos. Apresentam-se, na maioria das vezes, numa situação psicológica, emocional e física muito fragilizada.

Acima de tudo, são PESSOAS, como todos nós, que apresentam características específicas e que merecem o nosso apoio e acompanhamento, como:

Pessoas que consomem drogas
Pessoas que consomem álcool
Pessoas que se prostituem (trabalhadores do sexo)
Pessoas em situação de sem abrigo
Pessoas requerentes de asilo

A Nossa Equipa

Alexandra Evaristo

Alexandra Evaristo

Psicóloga

Américo Nave

Américo Nave

Diretor Executivo

Ana Quintela

Ana Quintela

Esp. em Economia Social

Andreia Alves

Andreia Alves

Assistente Social

Carlota Ferreira

Carlota Ferreira

Assistente Social

Cátia Moreira

Cátia Moreira

Médica

Cláudia Pereira

Cláudia Pereira

Psicóloga

Élio Lampreia

Élio Lampreia

Psicólogo

Respeito pelos Direitos Humanos

Garantir que todas as pessoas gozam de todos os direitos consagrados na Declaração Universal dos Direitos Humanos e são tratadas como seres únicos com necessidades e vontades específicas à sua pessoa.

Filipa Duarte

Filipa Duarte

Coordenadora

Hélder Trigo

Hélder Trigo

Supervisor

Ilda Paulino

Ilda Paulino

Auxiliar

Inês Costa

Inês Costa

Psicóloga

José Fernando

José Fernando

Monitor

Márcio Miguel

Márcio Miguel

Monitor

Maria Bento Carmona

Maria Bento Carmona

Coordenadora

Mariana Santos

Mariana Santos

Psicóloga

Integração Comunitária

Promover a inclusão das populações mais vulneráveis na comunidade, promovendo a sua participação ativa.

Marta Correia

Marta Correia

Psicóloga

Marta Nascimento

Marta Nascimento

Psicóloga

Moahmed Abdela

Moahmed Abdela

Monitor

Octávio Patrício

Octávio Patrício

Financeiro

Raúl Júnior

Raúl Júnior

Monitor

Rita Abrantes

Rita Abrantes

Enfermeira

Rita Lopes

Rita Lopes

Psicóloga

Rita Pereira Marques

Rita Pereira Marques

Coordenadora

Capacitação

Promover a aquisição ou reaquisição de competências pessoais e sociais com vista à autonomização e empowerment dos beneficiários.

Rui Coelho

Rui Coelho

Monitor

Selma Santos

Selma Santos

Coordenadora

Simone Lopes

Simone Lopes

Designer Multimédia

Soraia Cunha

Soraia Cunha

Psicóloga

Tânia Ponte

Tânia Ponte

Coordenadora

Proximidade

Ter na relação interpessoal com os públicos-alvo o motor das estratégias de intervenção

Os Nossos Parceiros

Um número crescente de doadores individuais, empresas, instituições e organizações, tornam o nosso trabalho possível. Estamos muito gratos pela parceria e pelo apoio.